Portal do Governo Brasileiro
Uma bancada didática de controle de processos e automação, utilizada no curso do CTISM.

O curso subsequente de Automação Industrial do CTISM se destaca por abranger várias áreas do conhecimento técnico em suas disciplinas. Ao longo do curso, os alunos passam por matérias ligadas a assuntos como eletrotécnica, eletrônica, mecânica, informática e gestão.

As inscrições para as 32 vagas disponíveis no curso de Automação Industrial do CTISM estão abertas a partir desta segunda-feira (11), assim como para os demais cursos técnicos integrados e subsequentes do colégio.

A formação em Automação Industrial também é diversa no que diz respeito às áreas da indústria na qual ela se aplica. A automatização de máquinas e sistemas de produção está presente em diversos setores, como o automobilístico, alimentício, farmacêutico, químico, metal-mecânico e de papel e celulose, entre outros.

Para o coordenador do curso do CTISM, o professor Leandro Roggia, essa é uma vantagem. O profissional de automação industrial “tem um leque de opções” e “não fica restrito a uma única área”, diz ele. Roggia classifica a formação como “flexível” e “versátil” e afirma que a automação é, hoje, um “campo em expansão”, e que a indústria brasileira passa por um processo de automatização.

Bancada de energias renováveis, equipada com painel solar e gerador eólico.

Entre as funções exercidas pelos profissionais de automação industrial no mercado, estão planejamento e projeto de instalações, manutenção, diagnóstico de falhas e defeitos, instalação de equipamentos, medições, ensaios e supervisão de processos.

O curso de Automação Industrial do CTISM tem quatro semestres e é ofertado no turno da noite. Entre os conhecimentos que compõem a grade curricular, estão eletrônica, programação, eletricidade, acionamento de motores, mecânica, pneumática, controle de processos, robótica e redes industriais.

Segundo o professor Roggia, o primeiro semestre do curso inclui, na maior parte, disciplinas teóricas. Ao longo dos semestres, a carga horária de disciplinas práticas aumenta e passa a ser o foco do curso, revela ele. Em uma das disciplinas do quarto semestre, o aluno tem a oportunidade de construir um protótipo em automação. Roggia destaca que o estudante “vai sair do curso tendo desenvolvido um projeto próprio”. A grade curricular inclui, ainda, 400 horas de estágio, que podem ser efetuadas ao longo do último semestre ou até três anos após a conclusão das disciplinas.

O coordenador vê como pontos positivos do curso o corpo “qualificado” de professores, que conta com docentes que possuem conhecimento específico sobre cada área, laboratórios bem equipados com tecnologias modernas, e as viagens de estudo, além dos eventos e do apoio pedagógico proporcionados pelo ensino do CTISM.

À esq., uma bancada didática equipada com IHM (interface homem-máquina), multimedidor, CLP (controlador lógico programável), inversor de frequência, fonte de alimentação e disjuntores. À dir., maleta didática para estudo de CLP. Fotos foram feitas no Laboratório de Acionamentos do CTISM.

 

 

Inscreva-se aqui no processo seletivo do CTISM.

 

por Rossano Villagrán Dias

fotos Rossano Villagrán Dias